As obras aqui publicadas podem não ser inteiramente ficcionais, podendo corresponder ao comportamento ou opinião pessoal de seus autores. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais será mera coincidência?

terça-feira, 29 de abril de 2008

O que você faria se fosse invencível? Invisível?

 Meus queridos colegas,

Nestas questões que evocam a honestidade (ou a falta dela)
me lembro do velho Platão quando conta a história do célebre
anel de Giges. O anel que tornaria qualquer um invisível,
inclusive você leitor, sempre que desejasse.

É um anel mágico, que um pastor encontra por acaso. Bastava
girar a pedra do anel para dentro da palma da mão para que seu
possuidor se tornasse totalmente invisível e, virando para
fora ficaria novamente visível.

Giges, que antes era tido como um homem honesto, não foi capaz
de resistir às tentações a que esse anel o submetia: aproveitou
seus poderes mágicos para entrar no palácio, seduzir a rainha,
assassinar o rei, tomar o poder, exercê-lo em seu único e
exclusivo benefício.

Platão que conta esta história em A república, conclui que o
bom e o mau, ou os assim considerados, só se distinguem pela
prudência ou pela hipocrisia, em outras palavras, pela
importância desigual que dão ao olhar alheio ou por sua
habilidade maior ou menor para se esconder.
Segundo Platão, se ambos possuíssem o anel de Giges, nada mais
os distinguiria: "ambos tenderiam para o mesmo fim".

Isso equivale a sugerir que a moral não passa de uma ilusão,
de uma mentira, de um medo maquiado de virtude? Bastaria poder
ficar invisível para que toda proibição sumisse e que, para
cada um, não houvesse mais que a busca do seu prazer ou do
seu interesse egoísta?

Será verdade? Platão, claro, está convencido do contrário.
Alguém se sente platônico?

Um caloroso abraço

--
José Lamartine Neto

_ _

COMTE-SPONVILLE, André. A moral. In: Apresentação da filosofia.
São Paulo: Martins Fontes, 2002, p.17-26.
(Adaptações por André Alcântara

>
> Pois é: contra a invisibilidade, a transparência!
>
> Não é querer demais de nós, falíveis humanos, que sejamos intrinsecamente
> e incorruptivelmente corretos e honestos? A transparência ao olhar alheio
> certamente nos ajudará a mantermo-nos no caminho virtuoso - e isso não é
> mau; afinal, somos o mais social dos animais, e os comportamentos só podem
> ser definidos como "bons" ou "maus" tendo como parâmetro a coletividade.
> Exageros, evidentemente, devem ser coibidos, mas não me resta dúvida que o
> gestor público pode ser fiscalizado por diversas instâncias da sociedade e
> manter sua privacidade e dignidade humana.
>
> Concordo com Prof. P.: é necessário, e possível, termos uma organização
> do tipo das fundações para termos mais agilidade no estabelecimento e na
> gestão de convênios e parcerias com a iniciativa privada - e isso não
> significa, de forma alguma, abrir mão do financiamento estatal para o
> ensino e pesquisa. Mas, como Platão e Lamartine nos advertem, não serão as
> pessoas que lá estiverem que vão garantir a honestidade das tratativas,
> mas sim a transparência e a fiscalização sobre essas.
>
> saudações
>
> N.
>

Caro N.,

Perfeitas suas ponderações.
E o fechamento foi preciso. Para nos proteger de nós mesmos é necessária a
transparência e a fiscalização, e acrescentaria, na quantidade certa.
O excesso de fiscalização é como remédio. Se a dose for grande demais pode
até matar, ou seja, burocratiza tirando a agilidade.
A transparência é como a luz, tira da obscuridade as relações. Deixam de
existir "Deuses" ou senhores dos processos, já que a transparência nos
aproxima, nos humaniza, tirando-os do Olimpo.

É possível que comece uma luta pra evitar a perda da sensação de poder.
Mas isso é outro papo...

Grande abraço meu caro

--
José Lamartine Neto
----------------------------------------------

Nenhum comentário: