As obras aqui publicadas podem não ser inteiramente ficcionais, podendo corresponder ao comportamento ou opinião pessoal de seus autores. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais será mera coincidência?

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Robótica na Bahia


Devido a notícia de que a Olimpíada de Robótica tem apoio do CNPQ, houve o comentário...

> "...nosso ensino voltado pra algo tão interessante e tão valido como uma competição de Robótica que só estimula o crescimento e desenvolvimento do aluno.
> "Temos" e "tivemos" um projeto que talvez seja o único de Robótica feito e elaborado pelo professor José Lamartine de Automação que construíra um braço robótico a aproximadamente 15 anos ou mais com peças reutilizadas... porém como sempre essas inovações que deveriam ser aplicadas ao nosso ensino infelizmente permanecem ainda na instituição na sala..." (Luiz, aluno de Automação)


Caro Luiz,

Obrigado pela citação de nosso robô que acaba de fazer não 15, mas 20 anos. É o robô RAI-1 (clique para ver o trabalho). Gostaria de dizer que foi um empreendimento apaixonante e a robótica na Bahia era quase inexistente. Na verdade, 3 anos antes (1986), já havia sido construído um outro robô no Instituto de Física da UFBa por Iuri Pepe e Ivan Monção. Foi o primeiro da Bahia e o nosso veio logo em seguida (1989). Existiu também um outro professor na Politécnica com pós-graduação em robótica que saiu da UFBa para o CENPES Petrobras para pesquisas com robôs submarinos de serviço em altas profundidades, uma vez que a empresa já começava a se destacar neste campo.

Mas, quem deu impulso a robótica na Bahia, acho que foi mesmo a Ford.

Hoje, o campo da automação é vastíssimo. Todas as áreas de atividade humana podem ter a presença da automação. De viagens espaciais a sistemas de irrigação, passando pela industria (químicas, petroquímicas, biotecnológicas, mineração, metalúrgica, tratamento de efluentes...), comércio, serviços, bancos, escolas, hospitais, etc., etc. Pense em alguma área e ela, a automação, estará lá.

Como definir as fronteiras de formação profissional? A quem, nós enquanto formadores de profissionais, vamos servir, o mercado ou o cidadão? A formação deve ser abrangente (podendo aumentar a empregabilidade) ou especializada para atender nichos de mercado? Quais as regras norteadoras de nossas escolhas? Seremos instrumentos do estado ou da sociedade?

As vezes é complicado dar respostas definitivas, principalmente quando temos dificuldades de ver alem do certo e errado, claro ou escuro, direita e esquerda, etc.

Sem dúvida não podemos fazer certas escolhas sozinhos. O questionamento e discussão enriquecem o processo.

--
José Lamartine Neto
Instituto Federal da Bahia
DTEE - Coordenação de Automação

5 comentários:

Anônimo disse...

Colegas e alunos

O Ifba já está cadastrado na OBR através do nosso laboratório de eletroeletronica, e está aberto às incrições dos alunos e professores que desejem inscrever trabalhos. Ver o blog

http://www.mecatronicaexperimental.blogspot.com

abrs

ronaldo c.
dep III mecânica

Anônimo disse...

Lama vc botou prá f....erver! Belas e sábias palavras. Mas o mais
importante, na minha opinião, é a chamada para reflexão.

Parabens epla lucidez. Abraços. Claudio

Anônimo disse...

Olá!

Em relação à Ford, tem o SENAI/CIMATEC direcionado para pesquisa aplicada
(mercado).
Entre os extremos do mercado e da academia, deve haver um posicionamento
ótimo.

[]s,
Eduardo T.

Anônimo disse...

Caro Professor,

Fico alegre em saber que alguem ainda acredita nso alunos do IFBA. E estimula a participar de competições que envolvem essa área (robotica e automação). Eu só estou confirmando com alguns colegas pra formarmos um equipe, queremos participar da prova pratica.

Grato, Igor.
(Eletrônica, 9831)

Anônimo disse...

Caros,

venho a público para enfatizar ainda mais a grande importância de se incentivar a participação de alunos em eventos que envolvam robótica e automação. Temos em nossa história e em nossa essência grandes alunos e grandes mestres diferenciados no mercado e no meio acadêmico. Muito se deve pela tradição da Escola Técnica, referência em ensino durante anos.

Temos agora nessa nova etapa, a doravante era IFBA, a chance de ganhar mais espaço no atual cenário de grandes inovações tecnológicas.

Para aqueles que ainda não sabem, já contamos com 3 robôs na Instituição:
1 robô Loki rádio-controlado de 55Kg (Winter Challenger - Competição Nacional de Guerra de Robôs), o robô autônomo Platão (Campeão Baiano e 2ºColocado na Winter Challenger) e Cavalo Power (3º lugar nacional na Campus Party em SP). Além desses, já foram desenvolvidos outros 2 protótipos de robôs que participaram do Encontro Nacional de Estudantes de Controle e Automação - ENECA, e tiramos o 9ºlugar.

Gostaria de ressalvar que vencemos, pelo GRAU, Universidades de renome como UNICAMP, USP, UFMG dentre outras. Tudo isso com um grupo formado apenas com alunos. Todos os robôs foram financiados pelos próprios alunos, exceto o robô Balboa que contamos com a grande ajuda do professor Anilson, que nos concedeu um curso de Autocad e doou o dinheiro para participarmos das competições. E deixamos aqui, nosso muito obrigado.

Nesses 3 anos de existência muitos foram os professores que nos ajudaram nessa jornada. Fizemos honrosamente menções a cada um deles em nosso site:

www.ifba.edu.br/grau

Ficaremos lisonjeados com a colaboração da comunidade para tornar a participação dos "meninos de ouro" do GRAU nas Olimpíadas de Robótica.

Parabéns ao professor Ronaldo por acreditar e incentivar os alunos a se empreenderem em projetos em Robótica e Automação.
Certamente esse auxílio aos membros do GRAU, para participação nas Olimpíadas Brasileiras de Robótica, renderam bons frutos para os alunos envolvidos e para o próprio IFBA.

Em nome do GRAU, nosso muito obrigado pelo apoio.

--
Emílio A.
Graduando em Engenharia Elétrica
Pesquisador do Grupo de Robótica e Automação(GRAU)
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA
(CEFET-BA)
+55 71 8861 2510
Salvador - Bahia - Brasil