As obras aqui publicadas podem não ser inteiramente ficcionais, podendo corresponder ao comportamento ou opinião pessoal de seus autores. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais será mera coincidência?

sábado, 25 de outubro de 2014

MARKETING ELEITORAL

MARKETING ELEITORAL



Um dos princípios do marketing e criar a sensação do oferecimento de um benefício (material ou abstrato) de forma a gerar uma reação de retribuição do usuário (cliente, comprador, etc). É sutil em alguns casos, muito evidente em outros, e serve para mesma finalidade, concretizar uma transação. 

Vou dar um exemplo: um vendedor de carros (ou casas) pode oferecer um desconto ao comprador. Este, reconhecendo aquilo como favor sente que sua obrigação de retribuir, aumentando assim a probabilidade daquele vendedor fechar negócio. O bom vendedor nunca deixa o comprador se sentir um besta, que caiu em uma manjadíssima estratégia de vendas. 

Nesta situação das eleições, os marqueteiros transformam os políticos em produtos palatáveis aos eleitores-compradores. Usam várias estratégias de venda que mobilizam emocionalmente os eleitores (compradores). No fim das contas, criam a sensação de que, se o eleitor-comprador possuir este "produto" sua vida pode melhorar ou, se já tem determinado "produto", sua vida melhorou por causa dele (e nunca porque voce acorda cedo, estuda muito, trabalha muito, é dedicado, etc), portanto, seja grato e continue fiel. O da concorrência não presta e blá, blá, blá. 

O melhor de tudo é que os marqueteiros nos fazem perceber que somos nós que tomamos as decisões, que pensamos, que escolhemos e ficamos felizes com isso e não entendemos como é que os outros não veem o que vemos. 

Obvio que existem técnicas muito mais sofisticadas para conduzir as massas. O marqueteiro João Santana, por exemplo, em uma entrevista para a revista ÉPOCA relacionou seus livros preferidos na área de COMUNICAÇÃO POLÍTICA.

SERGUEI TCHAKHOTINE - " A Mistificação da Massa pela Propaganda Política".
WALTER LIPMANN - "Public Opinion", "The Cold War" e "The Public Philosophy".
EDWARD BERNAYS - "Propaganda".
GUSTAVE LE BON - "A Psicologia das multidões", "A Psicologia do Socialismo".
MURRAY EDELMAN - "The Symbolic Uses of Politics", "Politics as Symbolic Action: Mass Arousal and Quiescence", "From Art to Politics: How Artistic Creations Shape Political Conceptions"
DENNIS C. MUELLER - "Public Choice"
REGYS DEBRAY – “Vida e Morte da Imagem”
GLAKOFF - "Don't Think an Elephant! Know your values and frame the debate"
DREW WESTERN - "The Political Brain"
WILLIAM MEYERS - "The Image Makers"
GREG MITCHELL - "The Campaign of the century - Upton Sinclair's race foi governo of California and the birth of media politics"
THEODORE WHITE - "The making of the president"
KATHLEEN HALL JAMIESON - "Eloquence in an electronic Age"

É a estratégia do engano onde a verdade é o menos relevante. 


José Lamartine Neto





PS: OS COMENTÁRIOS OFENSIVOS, SEJA CONTRA QUEM FOR, INCLUSIVE O AUTOR DO TEXTO, SOMENTE SERÃO PUBLICADOS NO CASO DE IDENTIFICAÇÃO DO AUTOR DO COMENTÁRIO, COM EMAIL, CPF, RG E ENDEREÇO, PARA QUE POSSA SE SUJEITAR ÀS CONSEQUENCIAS LEGAIS DO ATO PRATICADO E REPARAÇÃO DA VÍTIMA DA OFENSA. A INTERNET NÃO CONSISTE EM “TERRA SEM LEI”, LIVRE PARA A PRÁTICA DE OFENSAS E NA QUAL OS COVARDES SE ESCONDAM ATRÁS DO ANONIMATO, NÃO ASSUMINDO SEUS ATOS.

Nenhum comentário: